Amamentar gémeos, tudo o que precisa saber

Amamentar gémeos, tudo o que precisa saber

 

 

 

Amamentar é fundamental para o desenvolvimento saudável e equilibrado da Pulguinha. Este gesto de amor, que sempre defendemos, é a bandeira da Rede Amamenta® que, de norte a sul do país, promove a amamentação e os seus benefícios através de workshops e cursos de formação e presta apoio direto às famílias através de consultas de amamentação ao domicílio, online e em gabinete.

 

Filipa dos Santos é fundadora da Rede, conselheira em aleitamento materno e consultora parental e uma das vozes de especialistas a que recorremos. É com ela que tiramos agora as dúvidas sobre a amamentação de gémeos, para ajudar a informar, a apoiar e a transmitir confiança às mamãs que decidem amamentar, mesmo quando o desafio é a duplicar. Foi à sua experiência que recorremos para saber em que difere e quais são os maiores desafios quando a amamentação tem de ser pensada para dois.

 

 

 

O que muda em relação à amamentação de gémeos por comparação com a de um só bebé?

 

 

É tudo o que implica amamentar um bebé, mas a dobrar... Ou a triplicar! Sim, amamentação de trigémeos também é possível e há relatos incríveis de mães que o conseguem fazer em exclusivo, alimentando até aos 6 meses só com o seu leite.

 

Cada bebé é único e pode adaptar-se de formas diferentes à amamentação, levando o seu tempo... E nos gémeos não é diferente. Podemos ter um bebé que precisa de mais ajuda e outro de menos para conseguir mamar.

 

Os gémeos, normalmente, nascem com menos peso (podendo, mesmo, nascer com baixo peso, ou seja, menos de 2500g) ou podem ser prematuros. Um bebé de baixo peso ou prematuro pode ter mais dificuldades em mamar pela imaturidade a vários níveis e pode precisar de mais tempo de internamento. Não é raro um dos bebés ter alta primeiro do que o outro e a mãe vê-se, assim, obrigada a dividir-se entre o bebé que tem em casa e o outro que continua no hospital. Esta situação, por si só, já é insana mas, ainda assim, manter a amamentação num caso destes não é impossível. Tenho acompanhado mulheres que o conseguem fazer, mas requer todo o apoio do mundo do companheiro, da família, dos profissionais de saúde que acompanham a mãe e os bebés e, claro, de uma conselheira em aleitamento materno!

 

A gravidez de gémeos também pode ser mais desafiante para a mulher, exigindo mais do seu corpo e podendo haver necessidade de mais intervenção durante o parto. Embora ainda seja pouco frequente ver-se a amamentação ligada à forma como decorre a gravidez e o nascimento, é crucial perceber que tudo está interligado e existe um continuum que irá sempre influenciar o início de vida dos bebés, bem como o início do pós-parto para aquela mulher. Se o parto terminar numa cesariana, por exemplo, pode ser preciso a mulher adaptar-se a posições de amamentação provisórias para conseguir amamentar os bebés da forma mais confortável possível.

 

Se uma mulher deveria ter sempre apoio contínuo nas primeiras semanas após o parto para se poder focar em si e no seu bebé, mais importante é que tenha quando são gémeos. Infelizmente, isto nem sempre é possível, mas é essencial que quem esteja próximo perceba que é necessário cuidar da mulher que foi mãe, pois, como costumo dizer, cuidar de um bebé é um ‘full time job’, sem folgas, sem descanso, sem férias. Ter dois bebés a precisar do mesmo nível de cuidados pode ser avassalador e a depressão pós-parto existe, tanto para mães como pais, e ainda não se dá atenção suficiente às necessidades não atendidas que a podem despertar.

 

 

 

Por que falamos da depressão pós-parto e dos cuidados da mãe e não tanto sobre o ‘tradicional’ da amamentação?

 

 

Uma mulher com as suas necessidades atendidas e cuidada é uma mãe muito mais capaz de cuidar dos seus bebés e de os amamentar. A amamentação envolve 100% de disponibilidade, especialmente nas primeiras semanas, tanto quando se tem apenas um bebé como quando são gémeos. Principalmente, disponibilidade mental e emocional. A disponibilidade para cuidar do outro (neste caso, de dois bebés) surge naturalmente quando a autoconfiança e autoestima estão intactas. Preservar a autoconfiança e autoestima das Mães é, por isso, fundamental! E todos à sua volta devem esforçar-se por fomentar esta autoconfiança e autoestima maternas. A especialista dos seus bebés é a Mãe - por muito nova que possa ser, por muito inexperiente que seja.

 

Necessidades básicas asseguradas. Autoconfiança reforçada. Agora, sim, a mãe é plenamente capaz de amamentar os seus bebés, sejam um, dois, três…

 

 

 

Os bebés devem mamar em simultâneo ou em tempos separados?

 

 

Qualquer bebé deve ter a oportunidade de mamar quando quer. Pode não ser sempre possível conciliar o momento de amamentação dos dois bebés, mas, geralmente, é.

 

 

Como?

 

Oferecendo sempre em simultâneo, mesmo que um dos dois não pareça assim tão disposto a mamar. Os recém-nascidos surpreendem-nos nas suas capacidades de mamar enquanto dormem.

 

Claro que há mães que até preferem amamentar de forma separada. Desde que isso não interfira com as necessidades de um dos bebés, não há problema.

 

 

 

Quais são as maiores dificuldades das mães que amamentam gémeos?

 

 

Depois de ultrapassar preocupações com peso de nascimento, prematuridade, alta hospitalar, as preocupações são similares às das mães que só têm um bebé para amamentar.

 

Posição para amamentar

Neste caso: como posicionar-se e aos dois bebés para os amamentar em simultâneo.

 

Produzir leite suficiente

E aqui a dúvida mais frequente nas mães de gémeos é: “será que sou capaz de produzir todo o leite necessário para dois bebés”?

 

Dificuldades com a pega

De um ou ambos os bebés. Nem sempre os irmãos estão ao mesmo nível em competência para mamar e é preciso trabalhar com cada um individualmente, pois cada um deles é um ser único.

 

Deixar ou reduzir o suplemento

Caso os bebés ou algum deles tenha começado a tomar durante o internamento hospitalar, é possível ir reduzindo gradualmente até que ambos mamem em exclusivo.

 

Encontrar o equilíbrio

Entre as suas próprias necessidades como Mulher-Mãe e as dos seus Bebés.

 

 

 

Que cuidados especiais deve ter a mãe de gémeos para poder amamentar em exclusividade?

 

 

Exatamente os mesmos que uma mãe que amamenta apenas um bebé deve ter.

 - Em primeiro lugar, ter motivação para o fazer - que seja uma escolha dela e não de terceiros;

 - Informação baseada em evidência (de preferência, antes do nascimento);

 

 - Rodear-se de pessoas positivas e que apoiem as suas escolhas e que fomentem a sua confiança como mãe;

 - Um companheiro que a entenda, oiça e que compreenda o quão importante é a amamentação para a mãe e para os bebés;

 

 - Profissionais de saúde que tenham como fundamentos para a sua prática a evidência científica e não ter medo de procurar segundas opiniões caso o pediatra ou qualquer outro profissional afirme que, simplesmente por serem dois, precisam de suplemento;

 - O apoio de uma conselheira em aleitamento materno que possa começar a apoiar e a esclarecer dúvidas ainda antes do parto e que esteja presente caso surjam complicações depois (como um parto prematuro, um dos bebés internado e o outro não, dificuldades específicas com as mamadas, etc.).

 

Uma coisa é certa para as mães de gémeos que querem amamentar: um corpo que gera dois bebés, dois seres humanos, é capaz de os alimentar após o nascimento também!


 


Saiba mais sobre Filipa dos Santos e a Rede Amamenta:

http://porto.amamenta.net/filipa-dos-santos/

 

Rede Amamenta

www.amamenta.net

rede@amamenta.net

Amamenta Porto 

www.amamentaporto.com

porto@amamenta.net

 

  

 

Deixe o seu comentário

Todos os campos são obrigatórios

Nome:
E-mail: (Não público)
Comentário:
Type Code

Categorias do Blog

Artigos populares

Artigos recentes

Procurar no Blog

Arquivo do Blog