Diástase abdominal – o que é e como tratar

Diástase abdominal – o que é e como tratar

Depois do nascimento do bebé a recuperação da boa forma é umas das preocupações mais comuns entre as recém-mamãs. Falámos com Sofia Amorim sobre as barriguinhas, agora já não grávidas, mas ainda e sempre a merecer a nossa melhor atenção e cuidados. Afinal de contas, mãe só há uma e neste caso, somos nós.

 

Vamos falar de barrigas?


Vamos falar de barrigas mas não de grávidas, vamos falar das barrigas de Mães. Aquelas que agora mostram marcas de Amor, mas que podem sem dúvida ser melhoradas.

 

E para melhorar temos de abordar um palavrão, a diástase.
O que é afinal a diástase abdominal?

 

A diástase abdominal é o afastamento que o nosso abdómen tem durante a gravidez, para o crescimento do bebé. Ou seja os nossos retos abdominais (chamados de six pack), a nossa caixa torácica, os nossos músculos mais internos e mesmo os nossos órgãos, saem do seu local habitual para que o bebé possa crescer.

Assim os abdominais mais externos chamados de os retos abdominais, também se afastam e a linha alba, tecido que o une, vai ter o seu estiramento máximo durante a gravidez.

Logo, a diástase abdominal é algo essencial que aconteça e que depois no pós-parto teremos que verificar como acontecerá o seu retorno. Normalmente cerca de 70% do nosso corpo volta ao seu estado normal pré-gravidez, durante as primeiras semanas de pós-parto, assim sendo só temos de trabalhar para os restantes 30%.

 

 

 


Quando devemos avaliar a diástase abdominal?


É mesmo muito importante e talvez até imprescindível, a diástase abdominal ser verificada no pós-parto, para vermos se esta se tornou patológica ou se o afastamento fisiológico que existia voltou ao seu normal. Uma Diástase é considerada patológica  quando  mesmo passado algum tempo depois do parto, os rectos abdominais não voltaram a encerrar e continua a existir um afastamento considerável, assim com profundidade na apalpação dos tecidos, podendo progredir para o rompimento da linha alba que pode causar em último caso, uma hérnia umbilical. 

A importância de se verificar a diástase vem na sequência do que esta também pode causar, por exemplo: dores de costas, mais na zona lombar; um fraco pavimento pélvico, que pode originar incontinência, prolapsos, dor na relação sexual e outras patologias; os problemas de postura normalmente aparecem em sinergia, com a diástase e com patologias de pavimento pélvico.

Para além de ser um problema físico também é um problema estético. Porque a barriga normalmente está mais projectada, em alguns movimentos parece fazer uma "cunha" ou abaulamento; fica mais inchada, dando ideia de ainda estarmos grávidas e existindo hérnia umbilical, também esteticamente irá se notar, limitando a vida da recém-mãe. Portanto a avaliação é essencial!

 

Quem faz essa avaliação da diástase?

 

Poderão mesmo as mães fazer uma autoavaliação, para isso existe um e-book gratuito do Mais Vida Portugal e um vídeo de auto avaliação da diástase abdominal, que faz parte do programa online 100% de Mãe. Para uma avaliação presencial proporciono a consulta de check-up fui Mãe, específica para fazer a avaliação, executando-se os exercícios caso a caso e onde a mãe aprende a fazer a correta ativação do abdominal. 

 

 

 


Como se pode recuperar da diástase no pós-parto?

 

O segredo para uma boa recuperação da diástase no pós-parto é sem dúvida a prevenção, que deve ser feita logo na gravidez, tendo cuidado com o ganho de peso e evitando-se exercícios que são completamente desadequados, como os que alongam o abdominal, os de rotação de flexão de tronco e aqueles em que a barriga está projectada para o chão.

No pós-parto imediato, e por vezes até mais tarde, é normal acontecer esse tipo de erros, de avançarem para exercícios intensos e proibitivos muito rapidamente, sem existir reforço muscular e em que depois uma diástase pequena, pode atingir dimensões muito maiores. Esses exercícios são por exemplo: as pranchas, os abdominais tradicionais como os "crunches"; todos os movimentos de levantamento duplo de pernas e por vezes mesmo levantando só uma perna, nota-se que a barriga não tem o reforço estrutural adequado e faz a dita "cunha". Essa informação em pormenor está disponibilizada no nosso e-book.

 

Que exercícios se podem então fazer?

 

Mesmo para quem já treinava anteriormente tem de começar com exercícios específicos, que vão fortalecer toda a parede abdominal, toda a parte do pavimento pélvico e daí então progredir, para o ginásio ou para o tipo de treino que fazia anteriormente. 


Tenho acompanhado mães de mais de 2 e 3 anos de pós-parto, que exatamente por terem cometido este tipo de erros, aumentaram a diástase abdominal e tiveram que recuar e começar a fazer os exercícios corretos. Logo quem já foi mãe há mais tempo pode, e vai de certeza, ter resultados se fizer o programa adequado com os exercícios que foram estudados, para este tipo de recuperação. 


É importante salientar que o treino para recuperação de diástase não se deve focar no fecho dos retos abdominais, porque provavelmente estes podem até não voltar a ficar unidos. O objetivo tem de ser um todo, tem de ser uma recuperação de corpo inteiro, tem de ser de dentro para fora, dos músculos mais internos para os mais externos. Só assim se consegue realmente recuperar a barriga e ter resultados a longo prazo.

 

 

 

Que ajuda pode ser encontrada na Mais Vida Portugal?


Para quem tem diástase, tem disponíveis 3 soluções com a Mais Vida Portugal: o treino personalizado; a consulta de check-up fui Mãe, em que esta patologia é verificada ao pormenor ou o programa online 100% Mãe, onde encontra três fases de progressão de treino e um pack específico, só para quem tem diástase abdominal. 


Os exercícios que executamos têm por base um activação e uma respiração específica, que foi inclusive há cerca de 4 meses atrás verificada a sua eficácia através de ecografia onde tivemos resultados positivos no encerramento dos retos abdominais. Depois, o método tem por base uma progressão de exercícios e movimentos, em que são adicionadas resistências e forças, sempre mantendo a activação abdominal correta. 

 

 

 

 

É Importante salientar que cada mãe é uma mãe, cada corpo é um corpo e temos de dar Tempo... temos de dar tempo a que o nosso corpo responda, aos estímulos que lhe vamos dar, portanto cada recuperação tem o seu timing! 

 

O importante é  começar o mais cedo possível, ter motivação, ter foco e procurar sempre ajuda especializada.

 

 


Não perca o live da Pulguinhas com a Mais Vida Portugal na IGTV e saiba tudo sobre diástase abdominal.

 

Contactos:

A sua coach de Mães. Sofia Amorim, Directora do Mais Vida

www.mais-vida.com 

Facebook : https://www.facebook.com/MaisVidaHealthMumExercise/

Instagram - Maisvida.portugal

E-mail maisvida.info@gmail.com 

Tel. 210992500

 

Deixe o seu comentário

Todos os campos são obrigatórios

Nome:
E-mail: (Não público)
Comentário:
Type Code

Categorias do Blog

Artigos populares

Artigos recentes

Procurar no Blog

Arquivo do Blog