Quando é que o bebé deve ir dormir para o seu próprio quarto?

Quando é que o bebé deve ir dormir para o seu próprio quarto?

Quando sai da maternidade, o primeiro quarto da Pulguinha é normalmente o quarto dos pais. Partilhar o mesmo espaço facilita a amamentação que acontece, por vezes, de duas em duas horas, tornando o gesto mais imediato. A proximidade acalma as preocupações de vigilância dos pais e tranquiliza a Pulguinha, que se sente acompanhada. Poder partilhar o sono traz benefícios para todos que podem conseguir assim noites mais tranquilas e já abordamos aqui as vantagens da Pulguinha dormir no quarto dos pais. Mas até quando é esta uma boa solução e quando é que o bebé deve ir dormir para o seu próprio quarto? Para o descobrir falámos com Drª Mafalda Leitão - Psicóloga Clinica e Coordenadora do Núcleo das Perturbações do Sono no PIN.

 

 

As Pulguinhas devem partilhar o quarto com os pais?

 

Há efetivamente benefícios em partilhar, de início, o quarto com a Pulguinha, tanto no sentido de facilitar a amamentação ou aleitamento, como no da sua vigilância e segurança e no seu acalmar.

As recomendações da Academia Americana de Pediatria preconizam que a Pulguinha deve dormir no quarto dos pais nos primeiros meses, uma vez que a amamentação se verá assim facilitada e ajuda também a preservar o sono da mãe. Um recém-nascido deverá, de início, ser alimentado a cada 2-3h, o que se traduz numa enorme privação de sono sobretudo para a mãe, aumentando o risco de depressão pós-parto, que já de si ronda os 10-15% nos países ocidentais.

 

 

 

O bebé deve partilhar o quarto mas não a cama...

 

No que concerne a segurança, recomenda-se que a Pulguinha partilhe o quarto dos pais mas jamais a sua cama. Há um elevado número de mortes por asfixia e aprisionamento quando os bebés dormem na cama dos pais – podem ficar “entalados” debaixo deles ou entre o colchão e a parede, engolir um brinco da mãe e sufocar, enfim, há uma série de acidentes que podem ser fatais. Um berço ao lado da cama dos pais é a melhor solução para toda a família.

Também permite uma melhor vigilância, pois é sabido que 90% das mortes associadas à Síndrome de Morte Súbita do Lactente (SMSL) acontecem nos primeiros 6 meses de vida, em particular entre o 2º e o 4º mês. A SMSL é a morte súbita, inesperada e explicada de uma criança com menos de 1 ano durante o sono e é uma situação que preocupa pais e profissionais de saúde.

 

Por este motivo se recomenda que, além de outros cuidados descritos pela Sociedade Portuguesa de Pediatria, o bebé permaneça no quarto dos pais até aos 6 meses. A Academia Americana de Pediatria vai mais longe e diz mesmo que deverá dormir no quarto dos pais até ao ano de idade, para prevenir os restantes 10%.

 

Na prática, há que considerar vários fatores, nomeadamente os do desenvolvimento, uma vez que pelos 9 meses fica evidente a ansiedade de separação da Pulguinha dos pais, o que pode dificultar a mudança para o novo espaço.

 

 

 

 

 

Geralmente recomenda-se a transição da Pulguinha para o seu quartinho pelos 6 meses, desde que:

- Não exija vigilância ou cuidados de saúde constantes, inclusivamente de noite

- Seja capaz de se virar sozinha de barriga para baixo e para cima (rebolar) e consiga desviar objetos que lhe caiam sobre a cara

- Se já conseguir dormir pelo menos 6 horas seguidas (para que os pais não estejam sempre a levantar-se e para que, caso vá fazer companhia a um irmão mais velho, não perturbe o sono deste)

 

 

 

A transição para a cama de grades deve acontecer assim que a permanência no berço deixar de garantir todas as condições de segurança, nomeadamente se o bebé já se conseguir sentar sozinho ou tentar apoiar-se nas laterais para se erguer.

 

 

Finalmente, uma palavra sobre o acalmar da Pulguinha. O que devem fazer os pais para acalmar o bebé?

 

Muita confusão há sobre o acalmar ou não de um bebé. Naturalmente, uma Pulguinha acabada de nascer não traz consigo mecanismos de auto-regulação, ou seja, não se sabe acalmar sozinha. Esta capacidade vai-se desenvolvendo com a idade e com os comportamentos dos pais. Por exemplo, se a Pulguinha chorar na sala e a mãe estiver noutra divisão, ela terá de esperar uns minutinhos até que a mãe chegue até si e a tranquilize – e assim começa a desenvolver a capacidade de se regular e de esperar. Por isso, quando uma Pulguinha recém-nascida choraminga, deve ser prontamente acalmada pelos pais até ir crescendo e perceber que, mesmo que não seja de imediato, estes irão sempre ao seu encontro. Estas aprendizagens, normativas e essenciais para um bom desenvolvimento e autonomia, são erradamente confundidas com o “deixar chorar”.

Mas “acalmar” não quer dizer “adormecer”. Uma Pulguinha não nasce a saber acalmar-se mas nasce a saber adormecer sozinha. Já o fazia na barriga da mãe – não vemos as grávidas a balançar as barrigas para adormecerem os seus bebés! E uma Pulguinha calma adormece sozinha e feliz na sua cama!

 

 

 

A transição para o novo quarto, que muitas vezes implica a mudança para o berço, pode começar na sesta, ainda antes dos 6 meses, para que a Pulguinha se vá adaptando a este espaço. Por este motivo, também é bom que brinque lá durante o dia. Quando o conseguir fazer, poderá mudar para o seu quartinho e devolver o quarto do casal aos pais!

 

 

 

 

A Dra. Mafalda Leitão é psicóloga especialista em psicologia clínica e da saúde e em psicoterapia e trabalha na área das perturbações do sono há mais de dez anos.

Além de várias formações feitas e dadas em sono, tem duas pós-graduações em Ciências do Sono pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e faz formação, desde 2010, na Clínica del Sueño Estivill em Barcelona.

Trabalha atualmente no Hospital Beatriz Ângelo, no Centro de Desenvolvimento PIN - Progresso Infantil, sendo coordenadora do Núcleo de Perturbações do Sono e tem consultório no Centro de Lisboa.

mafaldafleitao@gmail.com

2Comentários

  • Avatar
    Teresa Prior
    Ago 21, 2018

    Boa tarde. Como mãe e profissional de saúde, acho que deverá abordar outra forma a idade da mudança do quarto quando no mesmo artigo menciona o SMSL. Pois segundo a sociedade americana de pediatria, WHO, DGS etc.. o risco de morte súbita reduz drasticamente caso o bebé durma no quarto dos pais até pelo menos ao ano de idade e sendo aconselhado pelas mesma as mudanças depois dessa altura depois. Atenciosamente

  • Avatar
    Pulguinhas
    Set 26, 2018

    Olá Teresa, Efetivamente as recomendações da Academia Americana são de que haja partilha de quatro durante o primeiro ano, conforme esclarece a nossa entrevistada. Acrescenta apenas para ponderação que há também a recomendação dos seis meses por outras entidades. Nesta fase feito com condicionantes e como início de um processo de adaptação com as sestas de forma a tentar evitar a ansiedade de separação. Muito obrigada pelo seu comentário e contributo para este tema.

Deixe o seu comentário

Todos os campos são obrigatórios

Nome:
E-mail: (Não público)
Comentário:
Type Code

Categorias do Blog

Artigos populares

Artigos recentes

Procurar no Blog

Arquivo do Blog